quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Atividade Noturna do Espírito


Para aqueles que acham que nosso espírito também "dorme" ou repousa conosco durante a noite, estão enganados. Durante o sono, o nosso espírito desprende-se do corpo devido aos laços fluídicos estarem mais tênues e ele se utiliza desse período para agir noutro plano de existência. Entretanto, existem variam os graus de desprendimento e lucidez. Nem todos se afastam do seu corpo, permanecendo no ambiente doméstico, pois temem fazê-lo e sentir-se constrangidos num meio estranho (aparentemente), outros movimentam-se no plano espiritual, mas suas atividades e compressões dependem do nível de elevação. 

O princípio que rege a permanência fora do corpo é o da afinidade moral, expressa conforme a explanação anterior, por meio da afinidade vibratória ou sintonia. O espírito será atraído para regiões e companhias que estejam harmonizadas e sintonizadas com ele através das ações, pensamentos, instruções, desejos e intenções, ou seja, impulsos predominantes, podendo assim, subir ou se degradar mais.

O lúbrico terá entrevistas eróticas de todos os tipos, o avarento tratará de negócios grandiosos (materiais) e rendosos usando a astúcia, a esposa queixosa encontrará conselhos contra o seu marido, e assim por diante. Amigos se encontram para conversas edificantes, inimigos entram em luta, aprendizes farão cursos, cooperadores trabalharão nos campos prediletos, e, assim, caminhamos.

Para esta maravilhosa doutrina, conforme tais considerações, o sonho é a recordação de uma parte da atividade que o espírito desempenhou durante a libertação permitida pelo sono. Segundo Carlos Toledo Rizzini "interpretação freudiana encara o sonho como apontando para o passado, revelando um aspecto da personalidade."

Para o Espiritismo, o sonho também satisfaz impulsos e é uma expressão do estilo de vida, com uma grande diferença: a de não se processar só no plano mental, mas ser uma experiência genuína do espírito que se passa num mundo real e com situações concretas. Como vimos, o espírito livre temporariamente dos laços orgânicos, empreende atividades noturnas que poderão se caracterizar apenas por satisfação de baixos impulsos, como também, trabalhar e aprender muito. Nesta experiência fora do corpo, na oportunidade do desprendimento através do sono, o ser poderá ver com clareza a finalidade de sua existência atual, lembrar-se do passado, entrevê o futuro e assim por diante. Todavia, a amplitude ou não dessas possibilidades é relativa ao grau de evolução do espírito.

O sono liberta parcialmente a alma do corpo. Quando adormecido, o espírito se acha no estado em que fica logo após a morte do seu corpo e o sonho é a lembrança do que o espírito viu durante o sono. Porém, podemos notar, que nem sempre sonhamos e o que isso quer dizer? Que nem sempre nos lembramos do que vimos ou de tudo o que havemos visto, enquanto dormimos e quando isso acontece é porque não temos, ainda, a alma no pleno desenvolvimento de suas faculdades, por isso, muitas vezes somente nos fica a lembrança da perturbação que o nosso espírito experimentou.

Graças ao sono, os espíritos encarnados estão sempre em relação com o plano espiritual. As manifestações, que se traduzem muitas vezes por visões e até mesmo “assombrações” mais comuns, se dão durante o sono, por meio dos sonhos. Elas podem ser: uma visão atual das coisas, futuras, presentes ou ausentes; uma visão do passado e, em alguns casos excepcionais, um pressentimento do futuro. Também, muitas vezes são quadros alegóricos que os espíritos nos põem sob as vistas, para dar-nos úteis avisos e salutares conselhos se se trata de Espíritos bons, e para induzir-nos ao erro, à maledicência, às paixões, se são Espíritos imperfeitos.

O sonho é uma expressão da vida real da personalidade. O espírito procura atender a desejos e intenções inconscientes e conscientes durante esse tempo de liberdade temporária. Conforme o grau, tipo de sintonia e harmonia gerada pela afinidade moral com outros espíritos, direciona-se automaticamente para a parte do mundo espiritual que melhor satisfaça essa sintonia e suas metas e objetivos, ainda que não lícitos, e aí conta com amigos, sócios, inimigos, desafetos, parentes, “mestres” etc.

Contamos ainda com mais dois tipos de sonhos. O primeiro é o premonitório, quando se toma algumas informações ou conselhos sobre algum acontecimento futuro. O segundo é o pesadelo, ou seja, o sonho ansioso, em que entra o terror. É também uma experiência real, porém, penosa; o sonhador vê-se pressionado por inimigos ou por animais monstruosos, tem de atravessar zonas tenebrosas, sofrer castigos, que de fato são vivências provocadas por agentes do mal ou por desafetos desta ou de outras vidas.

Preparação para o Sono

Verificando o lado físico da questão, vamos ver a importância do sono, pelo fato de passarmos 1/3 de nosso dia dormindo e nesta atividade, o corpo físico repousa e liberta toxinas. Para o lado espiritual, o espírito liga-se com os seus amigos e intercambia informações, e experiências.

Façamos um preparo para o nosso repouso diário:

Orgânico – refeições leves, higiene, respiração moderada, trabalho moderado, condução de nosso corpo quanto a postura sem extravagâncias.

Mental Espiritual - leituras edificantes, conversas salutares, meditação, oração, serenidade, perdão, bons pensamentos.

Todavia, não nos esqueçamos que toda prece se fortifica com atos voltados ao bem, pois então, atividades altruístas possibilitam uma melhor afinidade com os bons espíritos.

Fonte: Portal do Espirito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário